Notas sobre a hepatite C

Sem a dimensão poética, tradicionalmente ligada ao coração, o fígado é o órgão que terá despertado mais atenção a médicos, biólogos, fisiologistas, estudiosos e investigadores especializados nas diferentes áreas do Saber. Assim terá acontecido ao longo da História da Medicina pós-hipocrática.

O conhecimento científico e a compreensão, tanto do funcionamento do fígado (isto é, a sua fisiologia) como das suas disfunções patológicas são relativamente recentes.

Ainda é do tempo, quase actual, a dificuldade que representava, para os médicos, a falta de meios no processo da marcha geral para a diagnose diferencial de certas icterícias.  Por vezes, era mesmo necessário recorrer a métodos invasivos que tanto embaraçavam os internistas. Neste contexto, assume particular relevo aquilo que hoje se conhece, no plano científico, sobre a patogénese da cirrose ou do cancro do fígado.

As extraordinárias descobertas da Virologia, suportadas em estudos moleculares, demonstraram a existência de partículas virais, sucessivamente identificadas por vírus das hepatites A primeiro, e depois B, C, Delta, E, G…

A morfologia, a estrutura, a forma de transmissão, a intensidade da sintomatologia clínica são, como se sabe, diferentes para cada um dos referidos vírus. Em comum, têm todos a capacidade de invadir os hepatócitos e de provocar infecção, umas vezes de forma aguda, outras com evolução crónica, capazes de evoluir para a malignidade (cirrose hepática ou cancro).

A hepatite C constituiu, muito justamente, logo após a sua identificação, uma prioridade em Saúde Pública, seja pela facilidade na sua transmissão, através de sistemas parentéricos, seja pela probabilidade de evoluir para estados malignos mas, sobretudo, pela ausência de vacina. Pelo contrário, a vacinação para a hepatite B traduziu-se num grande sucesso, por ter sido a primeira altamente eficaz contra o cancro. Contudo, a inexistência de imunização activa para a infecção pelo vírus da hepatite C, associada à possibilidade de evoluir, na sua expressão crónica, para hepatocarcinoma ou para cirrose, coloca-a na categoria de infecção altamente preocupante.

Para tal, contribuem também a sua confirmada forma epidémica, tanto pela incidência, como pela sua elevada prevalência. Até há pouco tempo, inesperadas. Hoje, estima-se que a infecção atinja, em Portugal, 130.000 indivíduos.

Comprovadamente, é a primeira causa de indicação clínica para transplante hepático. Imagine-se, transplante hepático!

Eis que, em 2015, a Indústria Farmacêutica colocou no mercado medicamentos inovadores e muito eficazes, que a Escola de Santa Maria soube promover em benefício de muitos.

Portadores do vírus da hepatite C e doentes passaram a ter um futuro diferente.

Conquista ímpar.

Novembro, 2018

Francisco George
(Presidente da Cruz Vermelha Portuguesa e ex-Director-Geral da Saúde)

Notas sobre Democracia e Saúde

Resumo da Intervenção no Encontro promovido pelo Conselho Económico e Social a 21 de setembro de 2018 no Fórum Lisboa.

Está absolutamente demonstrado, através de inquestionável comprovação científica, que as cidadãs e os cidadãos integrados em famílias de baixos rendimentos e, portanto, mais vulneráveis, devem ter direitos e deveres específicos na perspectiva da redução de desigualdades e iniquidades.

Ora, é verdade que em todas as sociedades industrializadas, incluindo Portugal, existe um gradiente social gerador de significativas diferenças no que se refere à saúde, à doença e à morte (gaps na expressão inglesa) quer na dimensão individual quer familiar ou comunitária. Classificamos essas diferenças como intoleráveis, uma vez que traduzem iniquidades inadmissíveis pela injustiça que representam. Sublinhamos que são inaceitáveis porque são consideradas, em grande medida, como evitáveis. Isto é, se esta ou aquela medida tivesse sido tomada de forma atempada e inteligente, esse fosso poderia ter sido evitado ou, pelo menos, reduzido.

Mais do que as desigualdades, as iniquidades têm associada uma carga de imoralidade que a sociedade no seu conjunto não pode compreender nem aceitar. Precisemos, exemplificando. Se compararmos uma amostra aleatória de pessoas pertencentes a famílias com baixos rendimentos (por exemplo, devido a situação de desemprego) com outra amostra composta por pessoas provenientes de famílias ricas, se forem devidamente monitorizadas ao longo dos anos (estudos prospectivos), constatamos que os primeiros sinais de perturbação cognitiva, de doença ou incapacidade surgem 15 anos antes nos indivíduos da primeira amostra (como demonstram as investigações lideradas por Michel Marmot).

As sociedades contemporâneas, democráticas, não podem conviver com gaps dessa natureza. É necessário e indispensável analisar a sua origem e planear, sem demoras, intervenções que visem a sua eliminação. É responsabilidade de governantes, sobretudo.

Antes de mais, a sua identificação, o seu reconhecimento e depois a discussão pública das medidas interventivas focadas para as mudanças que carecem de aceitação social. A seguir, são as etapas para implementar e avaliar.

Este debate é, naturalmente, oportuno no Portugal de hoje, onde as crianças nascem em condições de igualdade em modernos e bem equipados blocos de partos com acesso fácil, universal e gratuito no contexto do Serviço Nacional de Saúde. Mas, depois, ao longo do ciclo de vida surgem desigualdades que marcam e categorizam estratos sociais, em termos de gradiente, que conduzem, inevitavelmente, a níveis de saúde distintos.
Devia ser o mérito a ditar diferenças no processo que, todos desejam, de elevação social. Mas, apesar da justeza deste princípio, não é o que sempre acontece.

Problema afim, é a necessidade em encontrar, no plano político, soluções justas que permitam, de forma natural, garantir o acesso da população aos serviços prestadores de cuidados de saúde, sem discriminação alguma.
Já no que se refere aos benefícios e abonos sociais, também em concordância com valores democráticos, há que distinguir aqueles que mais precisam conforme estabeleçam princípios de discriminação positiva. A fórmula “mais a quem mais precisa” avaliada em função dos rendimentos familiares, é uma medida de justiça social, visto que pode transformar desigualdades provisórias em igualdade sólida. Aliás, todos compreenderão que deve ser esse o objectivo principal, em termos estratégicos.

É preciso reconhecer que a observação de princípios de Ética, deontológicos e de responsabilidade no âmbito das prestações de saúde é, muitas vezes ténue, tanto no sector Público, como Privado ou, ainda, Social. É um pilar que impõe mais robustez e atenção por parte de prestadores e financiadores do Sistema.

Apesar das conclusões das pesquisas citadas serem objectivas, as razões subjacentes para explicarem as desigualdades e iniquidades, nomeadamente no acesso aos cuidados de Saúde, impõem mais investigações, debate e esclarecimento.

Francisco George
Setembro, 2018

 

Administração Pública, um exemplo

Catarina Sena
Catarina Sena

É preciso falar de cancro. É preciso falar da luta contra o cancro. Mas, em especial, na perspetiva da pessoa doente na luta que ela mesma conduz contra a sua própria doença oncológica. Esta é uma dimensão certamente menos debatida, mas de importância extraordinária.

Imprescindível.

As células malignas do cancro têm que ser combatidas por sucessivas batalhas. Umas pelas boas práticas médicas, nomeadamente do cirurgião através do seu bisturi, outras pela radioterapia ou, ainda, pela quimioterapia. Mas é, sobretudo, a vontade do doente que importa. A sua firmeza é o elemento determinante para o sucesso que, por isso, a coloca na linha da frente. O ânimo para lutar e não desistir. A força interior. A determinação. A energia. A inteligência. A decisão de continuar a viver.

A este respeito, as célebres páginas que Gabriel Garcia Marques escreveu sobre um náufrago no mar das Caraíbas que, durante dez dias, lutou contra a morte numa pequena balsa perdida nas ondas, ensinam a mobilizar a vontade interior. Sem alimentos, nem água, conseguiu sobreviver porque não se resignou.

Procurou reservas íntimas que pareciam não existir. Estímulos endógenos para ultrapassar os efeitos da imensa fadiga, do medo, da solidão, da fome, da sede, das ondas e dos tubarões que continuadamente espreitavam. Essas reservas confundiam-se com a mente e traduziam-se pelo querer. Querer continuar. Mas, igualmente, acreditar em conseguir alcançar as areias de uma praia colombiana.
Ora, com a doença oncológica é isso mesmo que acontece. Para viver é preciso dar luta. Incessante, se necessário. É preciso confrontar a doença. Conhecer, agir e ganhar.

Tudo isto a propósito do exemplo de Catarina Sena.

Conhecia-a, em Setembro de 2001, no Gabinete de Correia de Campos. Na altura, mulher ainda jovem (nascera em 1972), senhora de si, mas afável e muito competente. Sempre concentrada nos trabalhos do Ministério da Saúde que leva muito a sério. Por timidez ou por natureza, conversa pouco. Especialista em Planeamento e Controlo de Gestão, é diplomada em Administração Hospitalar na Escola Nacional de Saúde Pública. Então, já despachava diretamente os principais assuntos com o Ministro ou com a Chefe do Gabinete.

A sua presença nas reuniões ou nos grupos de trabalho é notada por todos. Responsabilidade e idoneidade marcam os seus relatórios.

Em Fevereiro de 2008 foi nomeada Subdiretora-geral da Saúde, cargo que desempenha hoje, apesar da sua doença oncológica. É o seu comportamento perante o seu cancro que pretendo exaltar. Um modelo para todas as pessoas com problemas análogos. Um belo exemplo de quem decidiu lutar contra uma estranha doença que tantas mulheres conhecem: o cancro da mama.

O primeiro sinal surgiu em 2009. Catarina identificou uma pequena formação nodular numa mama e, de imediato foi ao oncologista para testes e precisão do diagnóstico. Uma vez confirmada a malignidade seguiu as orientações e conselhos de médicos. Bem esclarecida sobre a origem do tumor, decidiu lutar pela vida. Não desistir. Ter coragem e esperança. Ir à luta.

Assim aconteceu, desde logo. Em lugar da habitual “baixa” que seria, aliás, justificada, Catarina prefere trabalhar. Dignificar a função de dirigente que exerce e a de funcionária pública que gosta de ser. Vai e volta da consulta do médico, da intervenção cirúrgica, da sessão de radioterapia ou da quimio, sem nunca abandonar o seu posto na Direção-Geral da Saúde. Interessa-se pelo desenvolvimento dos projetos que tem a seu cargo e pela organização interna da DGS, da mesma forma como cumpre a rigor as indicações clínicas. Entra e sai do seu Gabinete sempre que necessita ora para controlar a doença ora porque não pode atrasar determinada iniciativa de interesse público.

Um exemplo de mulher batalhadora. Uma inspiração para todas. Lutadora como Maria da Fonte do tempo de Costa Cabral e de Maria II. Tal como outrora, agora, o sucesso da luta também depende da coragem e do ânimo. Não aceitar injustiças.

O náufrago de Gabriel Garcia Marques chegou à praia. Uma questão de confiança e de esperança.

Francisco George
Setembro, 2018

Publicado no Jornal “Expresso” de 29/09/2018

Mauzão à Paisana

Em 1966, recém-encartado, conduzia eu, no Centro de Lisboa, tranquilamente, o Morris de minha Mãe que, aliás, estava matriculado em nome de meu Pai. Tinha saído da Sociedade Nacional de Belas Artes à Rua Barata Salgueiro e descia, a meio da manhã, a caminho da Avenida da Liberdade na curva para o São Jorge.

Lá ia eu dobrar a esquina para, como sempre era meu hábito, espreitar as sucessivas montras com os cartazes do cinema. Tudo se passava com inteira serenidade, sublinho. Na altura, mesmo a principal Avenida tinha pouco trânsito. O ambiente era absolutamente normal, diria.

Porém, repentinamente, através da janela da direita que estava entreaberta, comecei a ouvir gritos de uma criança e reparo que um jovem de pé descalço, que teria provavelmente 12 ou 13 anos de idade, estava a ser brutalmente pontapeado por um adulto. O pobre do rapaz, deitado no chão do passeio, dobrado com as mãos na cabeça, gritava de dor a cada golpe de pontapé que de forma impiedosa sofria repetidas vezes. Parecia não parar. Em voz alta e com sofrimento clamava por socorro.

Ora, perante cenário tão medonho, resolvi parar para ajudar e ir socorrer o jovem. Empurrei o “mauzão” que caiu e, nos instantes que se seguiram, houve tempo para o rapaz fugir e eu correr para o carro que estava com o motor a trabalhar encostado, estrategicamente, à minha espera.

Fiquei contente com a minha ação do dia e, para auto-comemorar decidi ir à sessão das 15 horas ver uma obra inesquecível de Claude Lelouch. Nunca mais pensei no assunto do “figurão mau”, até porque o filme “Un Homme et une Femme” ocupou-me a atenção, não só pelo romance em si, mas também por Anouk Aimée e Jean-Louis Trintignant.

Já à noite, antes do jantar, meu Pai chamou-me, com ar solene, para me comunicar que estava desapontado comigo pela cena que tinha provocado ao ter agredido uma autoridade policial, por isto e por aquilo… Nem me dava oportunidade de responder. Já quase no final da zanga percebi que aquilo que meu Pai não admitia como correto era eu ter agredido um polícia. Foi, então, que respondi que não sabia que era polícia porque o tal figurão estava à paisana e porque só me interessou salvar o rapaz que além de pobre era uma criança. Fez-se de imediato luz.

Meu Pai não sabia que o agredido era uma criança que mendigava e que o tal “mauzão” estava à paisana. Logo depois, estendeu-me a mão que apertou com força, felicitou-me pela coragem que mostrara e levou-me a festejar, nessa mesma noite, com um jantar especial num dos bons restaurantes da época, em Campo de Ourique. Durante a gostosa refeição no “Velha Goa” explicou-me que o tal paisana estaria a “acalmar” um pedinte teimoso e que depois de ter sido empurrado por mim, tinha anotado a matrícula do Morris durante a minha fuga.

Ora, através dos registos policiais, encontrou a identidade do proprietário do carro sem qualquer dificuldade para, logo a seguir, o procurar com a intenção de o deter. Foi então que dois agentes da Esquadra da PSP da Praça da Alegria foram encontrar o Diretor dos Hospitais Civis de Lisboa a quem relataram o incidente.

Visivelmente incomodados, os polícias recuaram perante tão “importante” médico (um dos agentes fazia serviço regular no Posto da PSP do Banco de São José e conhecia, por isso, o Diretor que estava à sua frente) e nem quiseram saber do verdadeiro condutor.

Em resumo, terei feito uma boa ação, em defesa de pobres e contra os prepotentes. Viria, por isso, a celebrar duplamente, primeiro com a minha iniciativa de satisfação pessoal comemorada com a ida à matiné do Cinema e depois, já em família, com o melhor sarapatel da Cidade.

Francisco George, verão de 2018.